terça-feira, 12 de março de 2013

ISRAEL NO CATIVEIRO EGÍPCIO




.
ISRAEL NO CATIVEIRO EGÍPCIO
TEXTO ÁUREO
Assim que lhes fizeram amargar a vida com dura servidão, em barro e em tijolos, e com todo o trabalho no campo; com todo o seu serviço, em que os obrigavam com dureza.(Êx.1.14).

VERDADE APLICADA
Após quatro séculos de sofrimento, o povo de Deus viu raiar o novo dia.
TEXTO BASICO: Êx. 1.5-14
5 Todas as almas, pois, que procederam dos lombos de Jacó, foram setenta almas; José, porém, estava no Egito.
6 Faleceu José, e todos os seus irmãos, e toda aquela geração.
7 E os filhos de Israel frutificaram, aumentaram muito, e multiplicaram-se, e foram fortalecidos grandemente; de maneira que a terra se encheu deles.
8 E levantou-se um novo rei sobre o Egito, que não conhecera a José;
9 O qual disse ao seu povo: Eis que o povo dos filhos de Israel é muito, e mais poderoso do que nós.
10 Eia, usemos de sabedoria para com eles, para que não se multipliquem, e aconteça que, vindo guerra, eles também se ajuntem com os nossos inimigos, e pelejem contra nós, e subam da terra.
11 E puseram sobre eles maiorais de tributos, para os afligirem com suas cargas. Porque edificaram a Faraó cidades-armazéns, Pitom e Ramessés.
12 Mas quanto mais os afligiam, tanto mais se multiplicavam, e tanto mais cresciam; de maneira que se enfadavam por causa dos filhos de Israel.
13 E os egípcios faziam servir os filhos de Israel com dureza;
14 Assim que lhes fizeram amargar a vida com dura servidão, em barro e em tijolos, e com todo o trabalho no campo; com todo o seu serviço, em que os obrigavam com dureza.

OBJETIVOS
1. Conhecer á terra do cativeiro
2. Compreender que o sofrimento é o meio de Deus para nos fazer crescer
3. Aprender que o Egito é para nós o símbolo do mundo

INTRODUÇÃO
O cativeiro egípcio deu-se em decorrência de uma mudança dinástica, a uma gestão de poder. O novo rei não conhecera José (Êx 1.8), oprimiu o povo, até que Deus levantou o seu servo Moises para libertá-los (Êx 3.7-14). Ao longo desta revista estaremos vendo o trajeto do povo de Deus que saiu do exílio rumo á Canaã, para experimentar o melhor de Deus. Espero que cada aluno da escola bíblica tire lições para as suas vidas destes maravilhosos estudos.
I-CONHECENDO Á TERRA DO CATIVEIRO
“O Egito a principio foi visitado por Abraão (Gn12. 10), e depois governado por José (Gn41. 38-40), tornou-se o palco da escravatura israelita por quatro séculos” (Gn 15.13). Neste tópico trataremos de maneira resumida a geografia egípcia, para sentirmos de perto o drama do povo de Deus.
1. A origem do Egito
Não se sabe o certo, mas os grandes historiadores têm disputado com freqüência para decifrar, com precisão, qual na realidade foi o berço das civilizações, se é o vale da Mesopotâmia (Gn24. 10), ou vale do Nilo (Êx 2.5). Sabe-se que os Eruditos arqueólogos provam que á humanidade nasceu entre o Tigre e o Eufrates.
2. O nome do País.
O termo português "Egito" deriva do grego antigo Αίγυπτος (Aígyptos), e a forma grega, por sua vez, advém do egípcio Ha-K-Phtah, "morada de Ptá", denominação de Mênfis, capital do Antigo Império. Os egípcios denominavam a sua terra de “Kam-t”, que significa “negro”, por ser cor do solo um contraste com as terras vermelhas do deserto circunvizinho. “Os “cananeus chamava-a terra de “Misru”. O Egito também era chamado de Mizraim (1 Cr.1.8) que do hebraico significa  "dois estreitos" referência ao Alto e ao Baixo Egito. Existem alguns nomes bíblicos que é aplicado ao Egito, como: Sul (Jr 13.19), Sior (Is. 23.3), casa da servidão (Êx 13.3; Dt. 7.8), Mizraim (1Cr 1.8), Raabe, que uma designação poética (Sl  87.4;89.10), terra de Cão (Sl105 27;106.22). O nome atual é republica Árabe do Egito.
3-As características da terra.
Cerca de 95% do Egito é um deserto assolado,geralmente plano,com algumas serranas no sudeste,ao longo do mar Vermelho e no sul da península do Sinai. Quando estudamos a geografia bíblica ou secular descobrimos, que a forma do Egito é um quadrado. A área atual conta Com aproximadamente 1 001 450 km², o Egito é o 29º maior país do mundo, um pouco maior do que o estado brasileiro do Mato Grosso e duas vezes o território da França. Entretanto, devido à aridez do clima do país, os centros urbanos estão concentrados ao longo do estreito vale do rio Nilo e no Delta do Nilo, razão pela qual 99% da população egípcia usam apenas 5,5% da área total.
4- O rio Nilo
O rio é Nilo é o mais extenso do mundo, tem um percurso de 6.696 km. O Nilo nasce no pleno coração da África. As regiões laterais do Nilo e as partes mais secas para o interior são irrigadas por canais entre vinte e quarenta metros de largura e inúmeros quilômetros de distancia com boa profundidade. Dai então entendemos a famosa frase do historiador “Heródoto” “o Egito é uma dádiva do Nilo”.
Sabemos que foi sobre as águas desse rio que o menino Moisés foi posto numa arca, e Deus o protegeu dos crocodilos (Êx 2.5; Ez 29.3). É bom salientar que alguns eruditos acreditam que o Nilo secará por completo na dispensação milenar (Is 19; Ez. 19).
II-O POVO DE ISRAEL CRESCEU EM MEIO SOFRIMENTO
O novo rei que agora estava no trono não conhecera a José (Êx 1.8). Uma nova dinastia agora estava no domínio do País. O povo foi oprimido com dura cerviz, de maneira que eles gemiam sob a servidão (Êx 2.23). A palavra “dureza” que aparece no versículo 13 do capitulo 1 de Êxodo, que está no texto básico, deriva-se de uma raiz hebraica que significa “quebrar
em pedaços,triturar”.Isto significa dizer que a opressão imposta por Faraó ao povo Israelita visava destruí-los  fisicamente e espiritualmente. Dai então entendemos que, não é o sofrimento que pode fazer o povo de Deus parar de crescer, pois quanto o mais o povo de Israel era afligido, tanto mais eles multiplicavam (Êx. 1.12).
O Egito é para o crente o símbolo do mundo, e é por isso que o cristão sofre perseguição, e opressão de todos os lados, não foi diferente com a igreja primitiva (At 8.1-3). Assim como povo de Israel e a Igreja primitiva cresceu em meio o sofrimento (At. 4.29-31), também devemos crescer no fogo ardente da perseguição.
III-DEUS OUVIU O GEMIDO E O CLAMOR DE ISRAEL
A opressão do povo de Israel era tamanha que levaram eles á gemer e clamarem por Deus. A Bíblia nos informa que eles eram obrigados a trabalharem na fabricação de tijolos, como também em todo o trabalho do campo e com todo o serviço que na tirania serviam (Êx 1.14). Talvez você esteja se perguntando o que tem haver, gemido e o clamor do povo com o trabalho deles?  É bom lembrar ao aluno que a maneira pela qual o povo deveria trabalhar, não era algo prazeroso, mas sim amargo Assim que lhes fizeram amargar a vida com dura servidão, em barro e em tijolos, e com todo o trabalho no campo; com todo o seu serviço, em que os obrigavam com dureza”(Êx 1.14).
Na fabricação de tijolos Israel era obrigado entregar a cota exigida, caso contrario haveria severa punição (Êx 5. 14). Os tijolos eram feitos de palha cortada, caniço, e lama misturada. Muitas das vezes devido eles trabalherem o dia inteiro sem descanso algum, pisando o barro misturado com á palha, afirma á tradição judaica “que os varões hebreus quando iam dormir não conseguiam por terem os pés feridos pelas palhas em meio á argila”. O povo tinha muitas razões para gemer e clamar pela á ajuda de Deus, isso é fato, 400 anos de sofrimento não são apenas quatro dias. O bom é que Deus sempre lembra de sua aliança feita com o seu povo. “E ouviu Deus o seu gemido, e lembrou-se Deus da sua aliança com Abraão, com Isaque, e com Jacó” (Êx 2.24).
Deus está pronto para ouvir o nosso clamor, somos o Israel de Deus ele fez uma aliança com nós, clamemos á Ele e Ele virá á nós para nos ajudar.
IV-A SAÍDA DE ISRAEL DO EXÍLIO
Após 400 anos de servidão Israel consegue sair do Egito, sob á liderança de Moisés e Arão, e com á ajuda de Deus. Foi com muita dificuldade que o povo saiu, após uma serie de pragas enviadas por Deus na autoridade de Moises (Êx 7.14-25; 8; 9;10;11;12). A saída de Israel do Egito naquela noite após a páscoa ficará para sempre registrada nos anais da história. É válido lembrar que até mesmo na saída, o povo sofreu a dura perseguição dos exércitos de Faraó e ainda tiveram que enfrentar o mar vermelho que estava à frente. É necessário que o aluno entenda o nome mar Vermelho, não é por causa das águas, segundo o que se sabe é que elas eram verde-azuis. As rochas que circuncidavam o mar assumem pela ação do tempo uns coloridos vermelho-escuro muito vivo, daí então surgiu o nome “Mar Vermelho”. O mar possui 437.372km², e uma profundidade em média de 532 metros. O local provável da travessia é Quentara (48 km ao sul do Port Said) e rapidamente a norte de Suez. Naquela época, o mar devia ter cerca de 20 km de largura.
CONCLUSÃO
A estadia de Israel no Egito me chama á atenção não pelo fato deles estarem ali por um período de 400 anos, mas sim a maneira pela qual eles cresciam em meio o sofrimento, quanto mais eram oprimidos mais cresciam (Êx 1.12). O exílio de Israel no Egito foi necessário para que se cumprisse o que Deus havia dito á Abrão. O período deles no exílio foi pré-estabelecido por Deus, no tempo certo sairiam de lá. Quando Deus age ninguém pode impedir (Is 43.13). O tempo está sob o seu domínio, não importa o tempo de exílio, o que Ele disse fará cumprir (Nm 23.19).
QUESTIONÁRIO
1. Qual é a origem do país Egito?
2. Quais são as características da terra do Egito?
3. Qual rio banha o Egito?
4.O que o Egito simboliza para o Cristão?
5.Segundo a lição, qual é a extensão e profundidade do Mar Vermelho?